9 de março de 2012

Aborted, Unearthly, Anarkhon e Desecrated Sphere

Local: Hangar 110 (São Paulo/SP)

Data: 18 de Fevereiro de 2012 

Por volta de três semanas antes do show que teria a banda Exhumed como banda principal, a notícia de que eles não tocariam no Brasil foi espalhada na internet e pela imprensa especializada a fora e provavelmente isso pode ter feito muitos fãs desistirem de ir nesse show, que teve uma média de 200 headbangers por lá. O que foi falado sobre a não-vinda do Exhumed foi que eles não tinham conseguido o visto no passaporte e não poderiam embarcar...


Bom, paciência! Vamos sem o Exhumed então. E lá vamos nós chegar um pouco mais tarde ao show, pois pensei com o cancelamento do Exhumed o show poderia começar mais tarde, só um pouco mais tarde e o set-list das bandas seria maior, mas ledo engano. Acabei perdendo a primeira banda, o Desecrated Sphere, mas pelo que comentavam ali, a apresentação deles foi boa e entre os cento e poucos pagantes que já estavam ali dentro para curtir o show, notava-se alguns suados, provavelmente de agitar durante o show deles.
Desecrated Sphere

Cheguei quase na metade do show do Anarkhon e presenciei um som ótimo vindo do palco e um estilo diferente de tocar e segurar a guitarra, que o vocalista Aron Romero tinha. Eu já havia perdido outras aberturas de show do Anarkhon no Hangar 110, mas o que eu ouvia falar da banda eram elogios de que trabalhavam bem, o som deles era legal e sabiam se comunicar com o público e fazer uma boa performance e foi isso que vi. Eles realmente fazem uns riffs bem interessantes. No final do ano passado o Anarkhon tocou em outro evento da Tumba Produções – este também é da Tumba – ao lado do Dark Funeral, Gama bomb e Hammurabi, o qual eu não foi pois tinha ido cobrir o Ross the Boss para o Rock on Stage, mas me disseram quem foi um show ótimo. 

Anarkhon
O Anarkhon mistura letras em inglês e português num estimo que mescla o Splater e o Death Metal destacando a guitarra. O som deles é influenciado muito pelo Cannibal Corpse em certos momentos, então dá pra se ter uma ideia do que pode ser o som deles. Só tocaram cinco músicas mas fizeram questão de agradecer o público e o evento o tempo todo. Depois de uma breve pausa de uns 15 minutos aproximadamente entra ao palco a terceira banda da noite, oriundos do Rio de Janeiro – que alguns hoje em dia chamam de Hell de Janeiro – o Uneartlhy se apertou também no palco para executar seu Death/Black Metal com um visual bem incomum, vestindo indumentárias que lembram armaduras de couro e de cunho ritualístico bem nos moldes de certas bandas de Black Metal. Quanto a “se apertar no palco” é referência a bateria que ficou no canto direito do palco que era a bateria usada pelas bandas de abertura, já que a que fica no fundo do palco ficaria para a banda principal. 

Unearthly
Behemoth e Hate são as bandas que possuem uma sonoridade que mais se aproxima do que o Unearthly faz mas além das novas indumentárias que andam incorporando a seu som, também estão colocando outros estilos mais conhecidos do público brasileiro como o baião no final da música “Black Sun (Part I)”.

Mas antes falemos das demais como “7,62”, “Baptized in Blood” e “Flagellum”, as três oriundas do álbum mais recente “Flagellum Dei” que vem sendo bem elogiado pela mídia especializada. De fato um baião ficou estranho no som deles e logo reconheci que era baião e o vocal Felipe Eregion confirmou focando que tínhamos que aceitar um som brasileiro, coisa da nossa terra e bem mesclado. Eu disse que ele focou e não que obrigou a aceitarmos. Algumas pessoas ficaram olhando de braço cruzado, mas eu não detestei. Um cara que conheci ali veio me falar que dali a pouco eles poderiam fazer macumba também, ou algo assim. Fiquei pensando no que responder e acabei curtindo o som e fazendo alguns comentários para esse fã mais tarde.
Aborted

Isso de macumba me fez lembrar a introdução de umas das músicas do álbum anterior do Unearthly, “Age of Chaos”, que tem uma introdução misturada com tambores de candomblé, religião de origem africana. O Unearthly também usou numa introdução, uma música hindu e assim a banda vai se diversificando. Após “Days of Storm for Christian Souls” do álbum “Prelude to a New Reign” de 2002, veio a supracitada “Black Sun” e por ultimo “Age of Chaos”, e o show deles acaba mais uma vez com o setlist curto, coisa que aconteceu anteriormente com eles no mesmo Hangar 110, que deve ter sido num show que tinha o Marduk como banda principal. Mas senti falta de músicas como “Revelations of the Holy Lies” do "Age of Chaos" e apesar disso o show foi bom.
Aborted

Outra pausa para beber algo, conversar, ir ao banheiro e sei lá mais o que, e lá vem o Aborted que de sua formação original traz apenas o simpático e alegre vocalista Sven de Caluwé também conhecido como Sven “Svencho”. Mas espera aí, os cinco entram no palco com a introdução com pouca luz no palco e toda a banda focando o fundo do Hangar e poucos olhares para os que estavam próximos ao palco como eu estava e no lado direito do palco perto do guitarrista Mike Wilson. E lá começa o som e logo depois me afasto do palco e vou para o fundo do “salão” quando noto que o Mike sumiu do palco. Pensei que talvez ele tivesse ido urgente ao banheiro, pois demorou a voltar, apenas na quarta música. E o porquê? Deu um problema na guitarra e minutos depois o mesmo aconteceu com a guitarra de Eran Segal, mas mesmo assim a banda prosseguiu apenas com baixo, voz e bateria. Na quarta música Mike estava de volta ao palco e foi saudado de novo por todos e acenou pedindo desculpas e sorrindo. Bom, a coisa estava começando a andar.

Aborted
O som do Aborted me lembrou muito a época do lançamento da coletânea “Death is just the Beginning” lançada no meio dos anos 90 pela Nuclear Blast e entre as bandas que estavam lá, o Dismember era uma delas que estava em seu começo da carreira. Depois do show, menos de três minutos depois que o Aborted deixou o palco, Sven e Eran já desceram ao salão para cumprimentar os fãs e comentei isso com ele, que concordou e sorriu pela comparação feita a famosa coletânea de bandas que além de Dismember trazia em diferentes volumes bandas como Benediction, Hypocrisy, Macabre, Sinister, Mortification entre outras que na época eram voltadas pro Death/Black Metal como Therion e Amorphis.

Voltando ao show, desde o começo as quatro músicas foram “Global Flatline”, “Meticulous Invagination”, “Coronary Reconstruction” e “The Origin of Disease” e mesmo incompletos no palco, o povo agitava ao som deles que lembrava bandas como Suffocation, Entombed e Carcass antigo. A banda divulgava seu último álbum “Global Flatline” ao qual pertencem a terceira e quarta música. A banda priorisou músicas do recente álbum mas fez uma passada por sua carreira tocando várias coisas diferentes, que se notava pela pegada da guitarra, ora mais moderna, ora mais anos 90. 

Aborted
Sven comandava o público na agitação da bagunça sem muita discussão durante o show, com exceção de dois caras que não se entenderam bem durante a roda. E por falar em roda, Sven pede uma hora para que o pessoal abra a roda indo para os cantos para a recente e famosa parede, mas alguns estavam tão entorpecidos e doidos por um som que ficaram ali mesmo e a parede não aconteceu do jeito que tinha que acontecer.

O setlist continuou com as músicas “Expurgation Euphoria From a Tepid Whiff”, “Sanguines Verses”, “Threading on Vermillion Deception”, “Gestated”, “Rabidity”, “Dead Wreckoning” e “The Saw and The Carnage Done” que emendaram com o final da música “Painkiller” do Judas Priest para encerrar. 

A banda sai do palco e volta para tocar “Nailed Through Her Cunt”, do seu segundo álbum e resolveram dar um chorinho pra plateia tocando de novo “Global Flatline”, a musica que abriu o show e que gerou problemas nas duas guitarras durante a performance, mas eis que vem a surpresa ou maldição da música: uma das cordas da guitarra de Mike estoura e novamente parte da música foi tocada com apenas uma guitarra. Desta vez Mike não se irritou e provavelmente feliz com a reação do público, entrou no clima de festa, desceu do palco e foi no meio da roda aberta pelos eufóricos headbangers que estavam no salão. O cara ganhou o respeito e o carinho de muita gente. E o show se encerra e apesar do cancelamento do show do Exhumed a noite de sábado de Carnaval, foi bem Metal e um Metal Sensacional!


Fotos: Leandro Cherutti